REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR DO PTP-MADEIRA

Posts tagged ‘Salários’

TRABALHADORES MADEIRENSES RECUAM AO TEMPO DA ESCRAVATURA

OS FUNCIONÁRIOS DO GRUPO SÁ SÃO OBRIGADOS A  RECEBER PARTE DO ORDENADO EM SENHAS

José Manuel Coelho, do Grupo Parlamentar do PTP, esteve este Sábado, 21 de Abril, junto de um dos supermercados do Grupo Sá na Rua do Seminário, para  denunciar as ilegalidades e a violação dos direitos dos trabalhadores, fazendo-nos recordar os tempos da escravatura no Brasil.
O deputado da Voz do Povo, PTP, acusou os administradores deste Grupo de falta de sensibilidade social e desrespeito pelos direitos dos seus funcionários, dado que paga parte dos seus salários em dinheiro e a outra parte é-lhes atribuída em senhas do próprio grupo Sá, obrigando os funcionários a consumir produtos nos supermercados do Grupo. Coelho, contesta esta situação, pois os funcionários, já com muitas dificuldades para sobreviver, têm despesas mensais que não podem ser pagas com senhas, como por exemplo, o passe social dos filhos dos funcionários,  “a companhia de electricidade não recebe senhas do Sá, as bombas de gasolina não recebem senhas do Sá”, frisou o deputado.
Recordou que situações como esta fazem lembrar os tempos da escravatura no Brasil, pois “os grandes latifundiários obrigavam  os trabalhadores a comprar dentro das cantinas das suas quintas”.
Coelho denuncia a inércia das entidades competentes, como a Inspecção de Trabalho ou o Tribunal de Trabalho, que não intervêm para resolver esta situação que deixa os funcionário perante uma situação muito aflitiva.
A VOZ DO POVO diz não aos abusos contra os trabalhadores. Pede o fim à escravatura!

Anúncios

SIRAM MAMOU AS FESTAS, OS TRABALHADORES PAGAM A FACTURA

MILHÕES DAS FESTAS PARA O LUXO ENQUANTO TRABALHADORES FICAM NA MISÉRIA

A empresa SIRAM, que tem como sócio Sílvio Santos, ex-deputado do PSD, despediu 15 trabalhadores. José Manuel Coelho acusa esta empresa de arrecadar milhões de euros ao longo de décadas ao serviço das Festas do PSD, das Festas da Flor, das Festas de Natal e Fim-de-Ano, das Festas de Carnaval, e todos os eventos organizados pelo Governo Regional.
O principal cliente desta empresa era a Fundação Social Democrata, que através da sua “empresa fantasma”, Sermaequipa, fazia a lavagem de dinheiro e efectuava os pagamentos à SIRAM.
No entanto, como Jardim deixou de pagar os calotes ao BANIF relativos à FSDM, o banco deixa de financiar a FSDM que por sua vez deixou de pagar à SIRAM. A empresa ficou sem liquidez e sem dinheiro para pagar salários, procedendo ao despedimento destes trabalhadores.
No entanto, Jardim, a SDM e a SIRAM deixam ainda mais trabalhadores em situação difícil e aflitiva, pois, a empresa Electrolugares, da Tabua, Ribeira Brava, também com 15 trabalhadores, deixou de receber da SIRAM pelos trabalhos que lhes prestou, ficando os seus funcionários sem receber “um tostão” este ano.
O Grupo Parlamentar da Voz do Povo, PTP, denuncia ainda que a SIRAM fez a retenção na fonte dos descontos dos trabalhadores para a Segurança Social, no entanto, esses descontos nunca foram pagos. Nunca pagou a Segurança Social aos trabalhadores. Os trabalhadores ficaram com “uma mão à frente e a outra atrás”. Sem descontos efectuados, não têm direito a receber subsidio de desemprego e à reforma! Os trabalhadores estão nas mais pura miséria, enquanto os patrões conduzem veículos topo de gama, tem várias mansões de luxo e as contas offshore bem recheadas!

%d bloggers like this: